terça-feira, outubro 15

Reticências

É estranho. É bom... 
Sabe bem esta liberdade amarrada. Controverso, não? Ás vezes somos só nós a pensar na nossa vida, outras a imagina-la completa com o que falta, que na verdade é muito pouco, mas faz toda a diferença, talvez. Talvez porque aparentemente não tem feito, talvez porque de vez em quando há um friozinho na barriga que nos prende a alguém que nos desperta interesse. E como isso é raro, para mim, "talvez" é a medida certa. Se é que é preciso medida... 
Na verdade, não ter medida é a medida certa. Passamos tanto tempo a pesar atitudes para não magoar quem faz(ia) falta na nossa vida e afinal de contas, algumas dessas pessoas fogem-nos das mãos de livre e espontânea vontade, que na verdade é mesmo isso, não ter medida é a melhor solução. Dar e esperar que volte, se tiver que voltar. Não ter grandes expectativas,  mas não deixar nada por dizer, nem nada por fazer. Os sentimentos existem para viajarem de pessoa para pessoa, não para serem amarrados e amordaçados como se tivessem que cumprir pena suspensa injustamente. A vida é cruel, o amor mais ainda. Ou então não...
Há um dia em que nos fartamos de beber limonadas. E que sorte...! A altura das laranjas pode estar a chegar e o mundo vai mudar. As pessoas não; a história fica para sempre. Mas também continua... 
A parte boa da vida é poder escrever sempre mais uma linha. E outra, e outra, e outra... 
Sabe bem: sabes bem.

«Tudo a seu tempo tem o seu valor»

Patrícia Luz
15 de Outubro 2013, ao som de John Legend.




Sem comentários:

Enviar um comentário