sábado, novembro 14

Portugal? sim, com certeza.

Quis começar este texto assim para vos lembrar como me orgulho de passar férias no meu país e sentir que fui ao outro lado do mundo e voltei. 

Há poucas semanas atrás abri todos os sites de voos lowcost possíveis e imaginários. Eu ia viajar seja lá pra onde fosse, quando um vôo de apenas dezanove euros me saltou à vista e decidiu o meu destino. 

Açores.

Foi assim que em duas horas dei um pulinho de Lisboa a São Miguel e me pus à descoberta da "Amazónia portuguesa". 

O primeiro site que abri na booking, obrigou-me a reservar o sitio onde pernoitar durante duas noites. E quando digo obrigou-me... é mesmo o real sentido da palavra. Foi amor à primeira vista. Foi o "eu-quero-ir-para-aqui-dê-por-onde-der". E foi assim que liguei ao Miguel. Ainda nem tinha os vôos e já queria uma cama. Estava decidido: O Azores Urban Lodge tinha que gramar comigo. 

Daqui em diante, são vivências de apenas dois dias de viagem. 


 Quarto do Bigode 

Desde a primeira chamada telefónica e emails trocados, o Miguel foi impecável. Sem ele seria impensável ter visitado todos os lugares magníficos que visitei, provar a comida maravilhosa que comi, pelo menos em apenas dois dias. 
Assim que cheguei ao hostel, além de estar tudo preparado à nossa espera, inclusivé um carro, o Miguel tinha preparado um mapa com todos os atrativos da ilha! Espectacular! Recomendo! 

E assim começou a nossa aventura. 





Começamos por visitar  o Hotel Monte Palace, um enorme edificio entregue à natureza e ao abandono humano, que constituí o melhor miradouro para a Lagoa das sete cidades - considerada uma das Sete Maravilhas Naturais de Portugal. Além de assustador, este hotel concede-nos a melhor vista possível para a lagoa das varandas dos antigos quartos localizados no último piso (1ª foto). 
De seguida descemos até ao nível da água e almoçamos num pequeno restaurante chamado "Lagoa Azul". Simples e singelo, com um buffet diversificado, onde a maioria das pessoas da terra almoça. Em relação à comida... hummm... óptima! E o preço? Apenas onze euros por pessoa, com café e fruta - ananás de são Miguel, claro!




Rumámos de seguida à Lagoa do Fogo. 
É incrivel como ao descer a encosta das sete-cidades em direcção a Ponta Delgada é possível visualizar ambas as estremidades da ilha, bem como, uma paisagem tão diversificada composta por pinheiros altos nas encostas escarpadas e prados ao longe divididos por sebes naturais onde às vacas malhadas pastam à sua vontade. 

Em relação à Lagoa do Fogo, não há palavras. 
Para lá chegarmos, são 950 metros de altitude de curvas e contra-curvas onde a pressão nos entope os ouvidos... mas quando lá chegamos, a vista, a energia e o mistério deste lugar é inexplicável e tudo compensa. Foi das lagoas que mais gostei, sem dúvida!









E claro está, não podiamos ter perdido a oportunidade para fazer uma paragem na Caldeira Velha. 
Talvez o melhor da viagem!!!!

Foi na caldeira velha que tomamos o nosso primeiro banho termal. 
É fantástica a sensação de estarmos em pleno mês de Novembro, no meio de um bosque cheio de vegetação selvagem à nossa volta, o ar humido e uma cascata a romper na encosta com água a 30 graus onde podemos tomar banho!!!! É indescritivel! 

E para quem acha a água fria, ainda é possível ir a outra piscina com água a rondar os 40 graus. 

Adorei! Adorei! Adorei... não fosse eu louca por água! 




No final do primeiro dia, ainda tivémos tempo de dar um pulinho à Ribeira Grande. 
Lá, esta impunente igreja chamou a minha atenção. 
É engraçado como a pedra está presente na maioria dos monumentos da ilha, chamando-nos sempre à lembrança o vulcanismo existente na região. 

Aqui aproveitámos ainda para visitar a lojinha da Senhora do Capote e provar alguns licores regionais. Eu adorei o de arroz doce... mas o mais premiado é o de maracujá. Claro que trouxemos umas amostras para a familia e amigos. 






Por fim, regressámos a ponta Delgada. Após um bom duche para retirar o enxofre que sobrava no corpo e relaxar um pouco do dia, fomos jantar À "TASCA". Lá optámos por uma tábua dos famosos queijos da ilha e pelo polvo à tasqueiro. Mnhamii!!
E para dormir melhor, um licorzinho tradicional e um jogo 4x4 no bar do primeiro andar.  

 E porque no dia seguinte havia mais mil e uma coisas para ver... nada como deitar cedo, para cedo erguer. 

Assim chegou ao fim o primeiro dia de viagem. 
Amanhã conto-vos o resto. Vão querer perder?

Um beijinho, 

Pat


                                                                                Instagram | Tumblr | Youtube

1 comentário:

  1. Que fotos incríveis! Os Açores tem paisagens linda lindas lindas. :)

    ResponderEliminar