domingo, dezembro 4

Roma | Day 2


Ora então vamos lá começar pelo verdadeiro inicio. 

Vôos comprados. 
E agora? Onde vamos ficar? 

Para quem tem seguido as minhas últimas viagens sabe que me tenho tornado fã de hostels. 

« Hostels? O quê? Partilhar casa de banho com 50 pessoas? e o quarto com desconhecidos? Nem pensar!»

Pois é meus amigos. Eu cá tenho ficado em hostels com quarto duplo e casa de banho privativa e cá vos digo, tenho comido bem que me farto em todo o lado a que vou, porque o que poupo na caminha onde passo umas horinhas a descansar, dá para muitaaas outras coisas.  

Afinal de contas, vamos viajar para dormir, ou para perder o sono? 😃

Em Roma não fiquei no hostel mais barato possível. Era o meu aniversário, já reservámos em cima do acontecimento e, por isso, a escolha foi mais limitada. Queríamos algo minimamente bem localizado de forma a podermos andar por todo o lado a pé, mas que, simultaneamente, não fosse longe dos transfers para o aeroporto de modo a não termos de ser escravos das nossas malas de viagem. 


Foi assim que reservámos o Hostel Santamaria Inn, muito perto da famosa estação de Termini e da Basilica Papale di Santa Maria Magiore. Este é um local que não recomendo para quem viajar sozinho, pois é uma zona realmente mal frequentada; contudo, nós não tivemos problema nenhum, mesmo andando sempre a pé, chegando de noite e a más horas. A vantagem é sem dúvida estar a 5 minutos do transfer e a cerca de 15 minutos a pé do centro histórico da cidade (coliseu). 

Lá, fomos sempre tratados de forma simpática. O quarto era acolhedor e limpo. O pequeno almoço é bom. O ponto fraco foi apenas o fraco sinal Wifi no quarto (por estarmos no quarto mais longínquo da recepção).  






Então: Sono check, barriguinha alimentada pela manhã, check. Mochila às costas e máquinas fotográficas carregadas, check. Calçado confortável e roupa quentinha, check! 
Vamos a isto!








  
Primeira paragem: Coliseu! - 7.50€ por pessoa 

what an amazing place!

Para quem não se interessar por história, visitar o coliseu não irá passar de ver um conjunto de (grandiosas) paredes em ruína e pouco mais. 
Mas para quem se interesse realmente, este é lugar que não poderão perder! 

Este é um dos mais grandiosos monumentos da Roma antiga. O seu verdadeiro nome é anfiteatro Flaviano, contudo ficou conhecido como Colosseo (Coliseu) porque foi ali achada a estátua gigante (colosso) do imperador. 

Conta a história que os gladiadores lutavam na arena e que o Coliseu era o lugar onde os cristãos eram lançados aos leões. Para a inauguração, apenas oito anos depois do início das obras - em 80 d.C -, as festas e jogos duraram cem dias, durante os quais morreram 9 mil animais e 2 mil gladiadores. 

As actividades do coliseu foram encerradas em 523 d.C, mas o espaço permanece carregado de um clima misterioso e símbolo do Império Romano e da cidade eterna.

Há muitas mais informações para recolher sobre o coliseu, mas essas irei deixar para que vocês mesmos descubram.

Pessoalmente, eu adorei! Acho que vale muito a pena visitar por dentro.


Scalinata dell'Ara Coeli

Lupa Romana

Campidoglio
Vitoriano, Altare della Patria 




 Segunda Paragem: Vittoriano, Altare della Patria e zona envolvente,
 Valor da tribuna 360º: 7€ por pessoa  

 Rumámos depois à zona do Vittoriano.
Pessoalmente foi dos monumentos que mais gostei. 
Imponente e lindíssimo tanto de dia como de noite, o Vittoriano foi construído em honra de Vitor Emanuel II, primeiro rei de Itália unificada e considerado o pai da pátria.
Todo ele é em mármore e nas trazeiras tem um elevador que permite aceder à varanda do cimo do edificio, permitindo uma vista fantástica 360º para Roma até perder de vista...

Mesmo ao lado, podem visitar a praça onde se encontra o campidoglio. Aqui localiza-se uma das principais estátuas da cidade: A Lupa Capitolina, em representação da lenda dos gémeos Rómulo e Remo, em que ambos foram atirados ao rio Tibre e sobreviveram tendo sido amamentados por uma loba,  que os encontrou após o cesto onde seguiam ter acabado atolado numa das margens do rio junto ao monte Palatino.  




Seguimos pela via Del Corso em direcção à Fontana di Trevi, pois apesar de já a termos visto no dia anterior à noite, queríamos ter a percepção como seria durante o dia. 
Aproveitámos para almoçar numa das principais travessas de acesso à mesma, num sitio comercial tipo Mac Donalds de Itália (se não estou em erro, chama-se "Baccano Ristorante"), onde pudemos escolher de entre Saladas, Massas, Sandes, Pizzas, etc..
Uma vez que não queriamos fazer um almoço muito demorado, este foi o sitio ideal. Comemos de tudo um pouco e seguimos caminho.





Por entre ruas e ruelas, decidimos ir até à zona do rio Tibre. Caminhámos ao longo do rio debaixo de túneis coloridos pelos plátanos de inverno que cobriam as suas margens de folhas enormes. 





Invertemos o nosso caminho até à Piazza del Popolo, conhecida como a Praça do Povo. Com uma forma elíptica enorme e acesso exlusivamente pedonal, esta é a praça onde actualmente são realizados os grandes eventos da cidade (como por exemplo, passagem de ano ou grandes manifestações do povo). 
Antigamente era vista como as portas da cidade. Dela partem três grandes ruas - Via del Corso, Via del Babuíno e ainda a Via di Rippeta - , formando assim o famoso Tridente de Roma. 


A praça de Espanha é uma paragem obrigatória. Palco das principais lojas de renome da moda internacional, e com uma das escadarias mais conhecidas do mundo, é um local óptimo para fazer uma paragem de descanso e comer um gelado. 

Vale a pena subir toda a escadaria. A vista lá de cima no final da tarde é um cenário bastante romântico e acolhedor. 


Confesso que nesta altura já não sentia as pernas. Estava desejando de ir tomar um duche e descansar um pouco. Contudo, ainda nos faltava ver uma pontinha da cidade que ficava a caminho do nosso regresso e por isso fizemos um último esforçinho antes de ir descansar. 

Parámos para mais umas fotos na Piazza della Repubblica. 






Após um belo descanso ... é hora de jantar!
Mnhamiiiiiiiiiiii! Como ao almoço tinhamos feito uma refeição rápida, ao jantar era hora de nos sentarmos a comer como deve ser. Especialmente porque era véspera do meu aniversário.

Um amigo meu da faculdade, após ver as minhas fotos em Roma recomendou-me um restaurante.
Sorte das sortes? Era ao lado do nosso hostel! Sorte das sortes das sortes?! Era óptimoooooooooooo!
E pronto, ficou considerado o nosso restaurante de eleição em Roma!





Apresento-vos o Elettra Ristorante.

Na nossa primeira refeição lá - sim, porque foram três-, saboreamos a pasta de lagostins e o risotto de cogumelos porcini. Claro que o risotto foi escolha minha! Mas posso-vos dizer que tanto uma coisa como outra, estava óp-ti-mo! Acompanhá-mos com vinho branco italiano.

Posto isto dirigimos-nos novamente ao centro da cidade. Baterias carregadas, barriguinha cheia... é hora de conhecermos um pouco da noite de Roma.


Os últimos minutos dos meus 23 anos foram passados assim. 
A cantar e dançar muito ao som de um artista de rua fantástico que parou uma multidão em seu redor. Meia-noite. 
Até tive direito a que me cantasse os Parabéns!!! 





Dirigi-mo-nos depois ao tal bar de que vos tinha falado: o Sallotto 42. 
Localizado numa praça que respira história foi o sitio ideal para festejar o inicio do meu aniversário. 
Recomendo este bar. Além de ser super giro, as pessoas tem todas um ar muito educado e arranjado, o que faz com que o ambiente seja muito agradável. 



O regresso já foi tarde e a más horas. Sabem o que isso significa? Direito a ter todos os monumentos por nossa conta. Tchana! 

No dia seguinte esperava-me o Vaticano. Vamos lá descansar... 

Esperem só por ver as fotos do nosso terceiro dia. 

Beijocas, Pat

Sem comentários:

Enviar um comentário