terça-feira, agosto 5

Mulheres independentes




«Mulher segura não tem medo de ficar sozinha. Tem medo de ficar mal acompanhada»

Um dia destes, numa conversa em modo de rescaldo de uma relação que nunca o chegou a ser, com um, agora, somente amigo, que na realidade nunca passou disso mesmo - é verdade, estas coisas acontecem mesmo -dizia-me ele como quem sabe mais da minha vida do que eu, que fui feita para estar sozinha. Que me via assim. A ser feliz sozinha. Eu e as minhas coisas. Sem precisar de muito mais. Que é como quem diz, de ninguém.

"Há pessoas que foram feitas para ter alguém a seu lado, há outras que não. E é isso que penso de ti". 

Não me saiu da cabeça durante algum tempo. É por isso que a sei de cor. 

Dizer que há pessoas que foram feitas para não ter ninguém ao seu lado pode tornar-se um pouco indelicado e inconveniente, no mínimo. Mas naquela altura agarrei no meu positivismo e dei por mim a pensar que na verdade amar a nossa vida por si só é tão suficientemente bom que sim, até lhe podia dar um bocadinho de razão quando nem todas as pessoas foram feitas para sobreviver a solidão das suas vidas. É quase a mesma coisa, mas dito à minha maneira. Algumas existem para a transformar em coisas simples e boas, como faço todas as manhãs quando acordo e não há nada nem ninguém a que dedicar o meu tempo.

Foi mesmo aí que percebi que os homens têm um certo medo de mulheres independentes. De mulheres que não precisam de muito mais além da vidinha que levam para vingar e serem bem sucedidas, nem que seja para si próprias - o que incomoda muita gente, diga-se. 
Os homens têm um certo medo de mulheres que esculpem um sorriso nos dias em que haveriam mil e uma razões para chover torrencialmente. Isso deixa-os inseguros e se lhes dá uma grande dose de adrenalina conquistar alguém assim, talvez também os deixe com o coração nas mãos a pensar que assim como ela agora está aqui a sorrir com todas as armas e bagagens, pode mudar de freguesia quando por obra e graça do espírito santo algo não lhe agradar. E deixar-me ali, assim, despido de mim. 
As mulheres independentes são assim. Andam de malas e bagagens feitas para todo o lado. 

O grande problema da maioria dos homens é não saber segurar mulheres assim. 
Porque mulheres que se sabem divertir e aproveitar a vida sozinhas, dispensam homens sem coragem. Sem coragem de lhes mostrar que as malas e bagagens foram feitas para nunca mais sair dali, daquela casa que é o seu coração. 

Por isso, aquilo que a principio não me soou lá muito bem, tornou-se num elogio enorme. Poder viver a minha vida, com as minhas coisas e aparentemente ser feliz é algo bom. Muito bom. 

Mas não é suficiente. 

Amar a nossa vida sem a poder partilhar é um acto tão egoísta como seria o de ter um prato de sopa e ver alguém junto de nós a passar fome. O amor é assim. E nem falo do amor, amor. Falo daquilo que une as pessoas, os pais e os filhos, os avós e os netos, os amigos mais próximos. A felicidade só o é quando partilhada. É um pouco cliché repetir esta frase que está mais do que repetida por todo o lado e mais algum. Mas é a verdade pura daquilo que quero transmitir. 

O que ele me quis  dizer foi que nem todas as pessoas conseguem ser felizes sozinhas como eu. Mas o que eu lhe quero dizer é que só grandes mulheres o conseguem fazer. 

E isso assusta. Especialmente homens, que ainda não o são de verdade.


Patrícia Luz
6 de Agosto de 2014

1 comentário:

  1. Antes de chegar ao fim já estava pronta para te dizer que isso tudo é muito bonito e que sabes que és das pessoas que mais admiro, principalmente por conseguires ser feliz com os pequenos prazeres da vida e por saberes aproveitar cada momento ao máximo, mas sem se partilhar com alguém não tem o mesmo sabor. E não, não foste feita para ficar sozinha. aprendeste a respeitar-te e a gostar de ti, o que muita pouca gente consegue. Deves ser das poucas pessoas que conheço que aprecia cada momento sozinha com valor e que dá vida a cada minuto que passa. Mas foste feita para amar, disso não tenho dúvidas. E sortudo aquele que te amar de volta. Tenho dito!

    ResponderEliminar