domingo, fevereiro 18

Escolha Múltipla




A escolha múltipla matou o amor. 
Hoje eu quero escrever sobre a facilidade com que descartamos pessoas da nossa vida. 

“O meu sonho é encontrar uma mulher séria com quem construir uma família com pilares e valores sólidos”, dizia um amigo meu esta semana. “Mas acho que já não há pessoas assim, com quem possamos construir um amor para a vida toda.”
 Não é a primeira vez que ouço esta lamentação e não será a última com certeza. Eu própria me poderia martirizar a pensar o mesmo. 

Pois é meus amigos: o que não faltam são mulheres sérias aos vossos olhos. E é aí que começa o problema. E quem diz mulheres, diz homens, porque não se pense que somos diferentes. 

Os amores nos dias de hoje são descartáveis e é exatamente por isso que nunca o chegam a ser: Amor.
Já ninguém tem paciência para encher o saco, engolir sapos e abrir o pipo da panela de pressão para deixar sair o vapor maléfico de uma relação. 

Porque nos havemos de  dar ao trabalho de moldar uma pessoa de quem nós até gostamos se, sem sair do sofá, podemos abrir um livro de caras e começar a escolher alguém novo de quem gostar e que, - durante uns tempos -, não nos dará chatices nenhumas?

Já ninguém se quer dar ao trabalho. E é exatamente aqui que o amor morre. 
Aquilo que se passa é que somos pessoas apaixonadas em vez de pessoas amadas, porque quando tudo começa a dar para o torto, começamos simplesmente a mudar o chip... a descartar a pessoa que temos ao nosso lado. E assim começam novas paixões. E assim morre o amor. 

Eu quero falar disto porque não tenho paciência para paixões. 

E então lembrei-me de recordar que o amor para a vida toda existe. Mas só existe para pessoas que se querem dar ao trabalho. 

Ao trabalho de amar. Ao trabalho de ter paciência. Ao trabalho de dizer obrigado; pedir desculpa e ouvir. Ouvir muito. Ao trabalho de se colocar no lugar do outro, de mostrar ao mundo que a vida só faz sentido ao lado daquela pessoa. Que os ciúmes (saudáveis) são apenas a prova do amor que a outra pessoa sente por nós. Ao trabalho de dizer  “amo-te” quando a conversa azedar de tal forma que a única vontade é esbofetear (em sentido figurado) a outra pessoa. Abraçá-la até, com todas as forças do universo, nesse exato momento. É engolir sapos em determinadas circunstâncias, mas falar sobre eles sempre! - se não os quiserem ter que engolir muitas vezes. 

Ao trabalho de dividir tarefas, de compreender que não és o único a estar cansado depois de um dia de trabalho e que do outro lado também podem ter existido problemas no decorrer do dia que precisem de ser falados. 

Ao trabalho de não se ser egocêntrico. De ser educado em todas as circunstâncias. 
De admitir erros. De explicar as razões dos mesmos. De ser flexível. De não impor opiniões. De ouvir para compreender e não para responder.

De perdoar,
(...) 
Enfim, ficaria aqui dias a inúmerar a trabalheira de um amor para a vida toda. E talvez se compreendesse porque não existem tantos assim por aí nos dias que correm.

As paixões não dão trabalho nenhum. Afinal de contas é como ir a um restaurante e não passar da entrada. Para quem tem fome, tudo sabe bem. Ninguém quer estragar o floreado inicial. Mas depois é que são elas. 

Os amores morrem devido à lei da oferta e da procura. 
Quem muito procura terá que se contentar com a entrada; quem trabalha para conquistar o prato principal ... desfruta da sobremesa. 

As mulheres sérias existem.
Os homens sérios também. 

Basta que exista uma única coisa: AMOR.

Sejam felizes,

Pat
18.02.2018



sábado, fevereiro 3

Adiar o Amor.



Eu disse uma vez que escrever é uma maldição. Não me lembro porque exatamente o disse, e com sinceridade, hoje repito: é uma maldição, mas uma madição que salva. Clarisse Linspector

Nós podemos adiar muitas coisas. Podemos ir depois às compras, podemos ir depois ao ginásio, podemos arrumar depois o quarto, comer mais daqui a pouco ou ler um livro mais tarde... o que não podemos é adiar o amor. Aquele sentimento que nos une áqueles de quem gostamos com todas as forças do universo, com toda a alma do mundo e com a fé de que se for para o perdermos algum dia, é para nos perdermos juntos.

Eu quero escrever-vos sobre isto alguns meses depois de me guardar em folhas soltas por aí. Depois de ter rasgado algumas para não me lembrar delas e relido outras para me salvaguardar da minha verdade interior. 

Não podemos adiar o amor. 

Não podemos adiar o amor para o momento em que o perdemos ou estamos em vias disso. Simplesmente por uma razão: porque os amores que se guardam para a urgência de um dia se perderem, não são amor. Podem ser muitas outras coisas parecidas, mas não amor. Porque quem ama com todas as forças do universo não imagina sequer esse momento: evita-o no desespero de algum dia o vir a viver. 

A unica forma de evitar um momento de perda: é amar. Hoje, amanhã, depois, sempre, pela manhã, pela tarde, pela noite; de férias, a trabalhar, de folga. A sair com os amigos, a jantar com os pais, a abraçar os filhos, a ouvir os amigos.
E a unica forma de amar é evitando um momento de perda.

Nós podemos adiar muita coisa. Tudo, menos o amor. 
Não há desculpas possíveis. 

Não é quando já não há nada a fazer que vamos encontrar soluções. Não é quando já se magoou que se vai querer arrancar a dor a ferros do coração de alguém, não é quando já se fez errado, que se pede para esquecer. Não é quando o sentimento corrói que vamos construir alicerces de aço fundido sobre ele.
Porque somos Humanos. E os humanos caressem de um grande problema: São Humanos. 

E têm coração. 
E quando o coração acelera não há amnésia selectiva que nos valhe.

E cerebro. 
E quando o cerebro pensa não há coração que acelere. 

Isto é sobre o que se sente dentro de nós. 
Se for para amar: Ame só. Ame só quem o faz esquecer que tem cerebro, e coração, e corpo. 
Nunca saberá o que é adiar o amor. Jamais perderá um.


Patrícia Luz 
3 de Fevereiro 2018

 


segunda-feira, julho 24

Farmácia da Penha | A credibilidade do Bem-Estar.



Quando andava no sétimo ano queria ser Farmacêutica. 
Depois descobri a físico-química e achei melhor zelar pelo bem da humanidade (risos).

A verdade é que é um sítio onde sempre gostei de ir.  Tenho sempre aquela sensação de "sitio-solução-para-todos-os problemas", sabem? E desde que vim viver para o Algarve, a Farmácia da Penha é "o meu lugar". 

A verdade é que ninguém quer estar doente, muito menos ser recebido por alguém frio e arrogante nessas circunstâncias. Ou ter alguma preocupação de saúde e não ter alguém a prestar a mínima atenção aos nossos sintomas, não é? Eu não gosto. Eu fico ainda mais doente quando isso me acontece em qualquer centro de saúde, hospital ou farmácia.

É essencialmente por isso que a minha escolha está feita há muito tempo! 

Aqui as minhas dores de dentes foram sempre recebidas com um sorriso, as dores de cabeça com um aconselhamento médico e até aquela banalidade de comprar um protector solar?! Teve direito a brinde!  

Mas desta vez o que me trouxe à Farmácia, foram razões bem mais positivas e é isso que vos quero contar! 


Sabem aquela semana sem fim à vista? Aquela semana de salto-alto em modo vai-vem daqui até à China? Aquela sexta feira com as pernas a pesar chumbo? Eu sei. 

Mas felizmente também sei o caminho certo para a solução. 

Chama-se Maria del Carmen e as suas mãos mágicas. Voilá! 

Mais do que uma Farmácia convencional, a Farmácia da Penha é uma agradável surpresa, pois para além do balcão há muito mais para descobrir. 

Pois é, e foi assim que acabei a minha semana entregue a esta senhora magnífica e a uma drenagem linfática manual. 

Aquilo que me fez optar por este local para experimentar este procedimento de Bem-estar, foi sem dúvida a confiança e credibilidade que me transmite. Afinal de contas é uma farmácia, a minha farmácia de eleição, onde trabalham profissionais de saúde, que utilizam produtos certificados e que sabem realmente o que é certo, pois estudaram toda a vida para isso, para saber o que é melhor para nós.



A Drenagem Linfática. 

A Maria recebeu-me com uma água aromatizada enquanto trocámos um momento de perguntas&respostas a cerca das vantagens deste tratamento e não só.  

Foi assim que fiquei a perceber que a Drenagem linfática é um procedimento que visa auxiliar o processo natural de drenagem do líquido que está espalhado pelo nosso corpo, realizado pelo sistema linfático. 


Depois passámos à acção. E através de uma massagem técnica com movimentos finos, suaves e superficiais a Maria ajudou-me a ver-me livre dos líquidos excedentes das minhas células, permitindo assim que os "dejectos metabólicos" - acho que se pode dizer assim - presentes em várias partes do meu corpo fossem drenados.

Esta massagem não dói e é super relaxante, ideal para esquecer o stress do dia a dia e, sem dúvida, o peso das pernas :) eheh! Assim que terminou, notei efeitos positivos no meu bem-estar. 

Experimentem! 
Afinal de contas, o nosso bem estar deve estar acima de tudo!

Beijinhos, Pat

   Instagram | Site 


Estrada da Penha, nº52 , 8000-119 Faro 
Marcações: 289 822 342